Lisandro Gaertner

Decadence avec élégance

2019.04.27

Dia preguiçoso. Aproveitando pra botar o Feedly em dia. Quase encerrado.



Bruta vontade de voltar a jogar Fate. Cansaço com regras. No fim das contas é tudo um improviso com ferramentas de tensão arbitrárias mesmo.



Tenho certeza absoluta que, se eu soubesse lidar com os pequenos momentos de vazio, poderia ter uma vida bem mais saudável e tranquila. A ansiedade é o que mata. Como eu gostaria de poder me dedicar a Yoga, alimentação orgânica e Thoreau. Ainda tá em tempo de tentar.



Odin por Odin, prefiro o de American Gods. Esse pastiche de Yahweh fantasiado de Viking dos filmes e quadrinhos da Marvel é bem meia boca.



Mais uma visita ao Museu do Folclore. Queria entender a fixação da Alícia com esse lugar.



Comecei a assistir a segunda temporada de Cobra Kai. Já não tem a mesma magia. Continuo odiando o team La Russo mas comecei a perceber uma discussão sobre como agir em sociedade. O segundo episódio é bem interessante nesses aspecto.

Harmonia de movimentos ou esforço coletivo?

Nada é errado. Nada é certo.

Pra série sobreviver eles precisam mostrar que existe esse equilíbrio entre os dois meios. Como em Billions. Mas nesse caso ambos cederam ao lado negro. O que não torna a série pior.



Interessante esse movimento de dois protagonistas sem antagonistas claros. Boa sorte aos teóricos pra tentarem enfiar isso em seus modelos

2019.04.26

Terminando o material pra enviar o Voluntárias, agora como projeto de longa, pra um edital.

Vamos que vamos.



Não acredito que o cartão mais uma vez não chegou. Quase 2 meses e só posso movimentar a conta pela internet. Me espanta o esforço que os bancos fazem para perder seus clientes.



Um belo almoço com os amigos de segundo grau. Podemos, sim, fazer amizades depois da escola, mas as antigas são as mais fortes e inclusivas. Respeitamos muito mais as diferenças daqueles com os quais crescemos juntos. Isso ninguém pode negar.



Enviado o projeto das Voluntárias para o Edital. Agora é torcer.



Estava errado. O cartão chegou mas a portaria não avisou. Estou até com vergonha de como tratei o pessoal do Banco. Vou pensar em alguma maneira de me desculpar.



Aguardando pra levar Alícia pra Ginástica Olímpica. Vou acabar sendo obrigado a criar uma disciplina por conta da dela.



Na volta da ginástica, esbarramos com um tiroteio em plena rua das Laranjeiras. Na boa, já deu de Rio de Janeiro.



In this dirty old part of the city
Where the sun refuse to shine
People tell me there ain't no use in me trying, no
Little girl you're so young and you're so pretty
And one thing I know is true
Your going to be dead before your time is due

We gotta get out of this place
If it's the last thing we ever do
We gotta get out of this place, there's a better life

2019.04.25

Mais uma entrevista para um emprego em São Paulo. Vamos ver se agora vai. Estou realmente precisando dessa mudança de ares.

Roger that, 4th dimension?



Sempre divertido ver a tensão das pessoas em receber spoilers de filmes de super heróis. Será que eles não sabem que estão apenas assistindo a uma compilação de anos de lendas? Tudo não passa de uma teogonia techno pop. Com menos graça e estilo.



Os X-Men dos anos Byrne e Claremont eram bem melhores como mitologia.



Vamos ver se depois dessa fase alguém anima de fazer um filme sobre a Mulher Hulk do Byrne. Metalinguagem nunca é demais.



Levamos a Alícia no McDonald's por conta de um brinquedo do McLanche Feliz, Fazia um tempo que não entrava num e fiquei verdadeiramente assustado. Me lembrou as histórias de conhecidos falando como nos Estados Unidos é um ponto de encontro de sem tetos e viciados. Tá quase nesse nível por aqui.

Não vejo outra razão pra ir numa dessas bibocas que não seja pelos brinquedos. Qualquer hambuergueria artesanal tem produtos nos mesmos valores e aparentemente melhores.

O pessoal fala muito da gourmetização, mas eu vejo de outra forma: os gourmets é que descambaram pro popular.

2019.04.24

Alícia fez a primeira aula de ginástica artística. Como prevíamos, foi bem. Segundo o treinados, tem muita flexibilidade, força nos membros inferiores, mas precisa desenvolver força no tronco e braços. Em todo caso, eles estão apostando que ela possa fazer parte da equipe e nas próximas semanas ela irá treinar gratuitamente e se tudo der certo entrará no time, algo que a gente não esperava.

Às vezes, a vida nos surpreende positivamente.



Na verdade, sempre; só não temos a dimensão histórica para sabê-lo



Fui a Copacabana para fechar a segunda fase do trabalho com o Fábio. Dá até saudades de morar em Copa. Mas o abandono que o resto da cidade já vive, está chegando até no posto 2 e no Leme.

Será que a cidade sobrevive ao Crivella?



Estou precisando de uma série pra assistir compulsivamente.

2019.04.23

Você se move na cama e os gatos aproveitam para se colar no seu corpo, criando anteparos sobre os quais você não pode apoiar seu peso. Enquanto eles ficam confortáveis, você corta um dobrado pra conseguir dormir equilibrado numa corda bamba. Tudo por amor.

É quase um casamento.



Mais uma versão do argumento de As Voluntárias. Agora para longa metragem. Certos projetos não te abandonam e você começa a amá-los tanto que não se vê longe deles. Por mais que não deem frutos. Tudo por amor.

É quase um casamento.



Hoje os aviões estão tirando fino do meu prédio. Por acaso o teto está baixo?



Pelo jeito não estava louco quando vi em Dumbo uma crítica à própria Disney.



Tá explicado o teto baixo.


Névoa na cidade.



Dos dois gatos, tenho certeza, um gosta de mim. Do jeito que gato gosta de gente: como um provedor de alimento, um poste pra se coçar, uma almofada para dormir. O outro, nem tchuns. Esse é cria da minha filha. Meio sonso, adora ser carregado no colo, invade banhos pra se molhar, sobe nos lugares mais esquisitos e come toda besteira que encontra.

No fim das contas, os gatos não gostam da gente, são apenas reflexos das nossas personalidades.



Ter gatos é ser forçado a encarar espelhos.



Visitamos o Instituto Casa Roberto Marinho. É tão lindo e tem tantas obras geniais que só fico imaginando se o plano de emburrecimento do Café Filho der certo. Teremos o Instituto Casa Edir Macedo. O famoso Ih, CEM. Cem cultura. Cem arte. Cem beleza.

Se gostar da Globo for abraçar o capeta e tivermos esse tipo de museu, pode me botar na fila pra abraçar o tinhoso.



Sim, sou desses. Não acredito em transcendência. Depois da morte, quero dizer, Transcendência é agora!



Tenho certeza absoluta que o sucesso de Um Tira da Pesada se deve 82% a trilha sonora eletrônica hipnotizante. Sem ela só seria um filme chato com um policial metido a engraçadinho.



Só imagino qual é o programa da família real brasileira no sábado a noite. Pizza Dupla na promoção, pipoca e VHS de filmes do Steven Seagal.

Tamos roubados.



Agora me lembrei, hoje não é sábado. Mas parece. Salve, Jorge.

2019.04.22

Toda final de campeonato carioca, especialmente as que envolvem o Vasco, me lembram como o futebol é um exercício socialmente aceito de Schadenfreude.



Vamos aproveitar a vibe da Páscoa e retomar um bando de pequenas coisas paradas.



Postais preenchidos para enviar pro PostCrossing. Agora é encarar a filinha dos correios.



Assistimos a nova versão live action de Dumbo. Mais um filme clássico de Tim Burton. Boas premissas, exuberante visualmente, mas com uma narrativa capenga.

A ideia de colocar Dumbo dentro de um grupo de Freaks é legal mas não foi levada ao que poderia. O mesmo de criar o paralelo entre o drama humano e o de Dumbo: superação, se livrar de fetiches e ganhar autoconfiança frente a perda. Acabou que os elefantes de CGI tinham mais humanidade que os atores.

Tive a impressão de ver na compra do Dumbo pelo mega circo, uma crítica a aquisição de todas as franquias do universo pela Disney, e o fogo consumindo a Dreamland, seria Disneyland?, serve como uma profecia ou desejo de libertação. Será doideira da minha mente?

No fim das contas foi divertido e apertou os botões certos. Alícia confidenciou sentir medo e vibrou em vários momentos. Logo, atingiu seu objetivo. Em comparação, o desenho original chega a ser excessivamente conceitual e até meio expressionista frente ao realismo que se forçou nessa versão.

Coisas da vida.



Aguardo uma versão live action de A Espada era a Lei, dirigida por Guilherme Del Toro.



Putz, já tem diretor e está sendo escrito por um dos roteiristas de Game Of Thrones. Ansioso pelo elenco...

2019.04.21

Sonhei que morava num hotel fazenda, o qual também administrava, e tinha mais algum gato além dos que já tenho. Descobria que, embaixo do banheiro, havia uma rede de túneis ligados pelos bueiros com centenas de gatos.

Minha única preocupação era que os meus não fugissem. E eles não fugiam.

Destaque pra uma família de gatos brancos telepatas que controlavam mentes humanas.



Essa conjunção de Tiradentes com Domingo de Páscoa pode ser um boost pra virada. Que venha a ressurreição.



Inimaginável um filme como Antes do Amanhecer hoje em dia. Nas relações mediadas por algoritmos não há espaço para meias palavras. Mas, confesso, a geração X fala um pouco demais mesmo. O que não é ruim. Let's Parley.

O termo não é errado. A gente não conversa. A gente parlamenta. Vivemos de propostas, acordos e concessões.

Hoje em dia em dia é tudo chit-chat.



Surpreendente como o pessoal discute franquias como se fossem criações suas. Estamos tão desvinculados uns dos outros que precisamos dessas relações com entidades fictícias para não nos sentirmos sozinhos?

O mundo virou um bando de Annie Wilkes.



Cara, esse negócio de toda cena, cômica ou dramática, ser obrigada a ter um punchline tá me dando nos nervos.

O pessoal se esconde da emoção da cena em prol da facilidade do riso irônico.

Deve ser culpa do Seinfeld.